|

1 Fevereiro, 2021     5 minutos de leitura

Por que Marcas, Produtores e Varejistas de Alimentos e Bebidas estão Saboreando a Transformação Digital Total

Para os varejistas, as marcas e os produtores da indústria de alimentos e bebidas, a transformação digital começou muito antes do COVID-19. Certamente, a pandemia causou uma disrupção nos mercados, mudou a noção de vendas por metro quadrado e levou as empresas a se adaptarem à crescente demanda por entrega em domicílio, opções de compra a granel, kits de refeição caseira e mais produtos de marca própria. A maneira como compramos , comemos, bebemos e cozinhamos mudou. No entanto, o negócio de alimentos está acostumado a fazer ajustes estratégicos e logísticos instantâneos usando ferramentas digitais, e a cadeia de suprimentos tem acompanhado essa mudança.
Para muitas empresas de alimentos, no entanto, apenas lidar com isso não é o bastante a longo prazo, e as circunstâncias extraordinárias da pandemia expuseram ineficiências nos sistemas digitais existentes. Não há momento melhor para os varejistas e produtores de alimentos e bebidas considerarem soluções de transformação digital mais abrangentes e centralizadas.

Mercado definido por mudanças repentinas

Nos últimos anos, houve uma explosão no número de novos produtos no varejo e nas opções de compra por canais, impulsionados pelo apetite do consumidor por mais opções e conveniência. Uma maior conscientização sobre questões nutricionais e éticas está impulsionando tendências como alimentos sem carne, sem laticínios e Farm-to-Fork (fazenda ao garfo, movimento iniciado nos EUA que consiste em reduzir os intermediários entre o produtor e o consumidor fazendo com que os produtos cheguem à mesa do consumidor em um prazo reduzido, valorizando suas propriedades nutricionais, economizando na utilização de conservantes químicos e nos custos). O e-commerce é imparável, as marcas estão se tornando varejistas, os varejistas estão se tornando marcas e muitos produtores e varejistas de alimentos estão se expandindo para serviços e entrega de alimentos.

O que há de novo, no entanto, é a mudança repentina para o trabalho remoto generalizado e a necessidade urgente de ferramentas digitais para permitir a colaboração entre equipes de back-office, locais de produção, regiões e fornecedores. Desafios operacionais, como redução de custos e desperdício, conformidade regulatória e de segurança, gerenciamento da cadeia de suprimentos e rastreamento do desenvolvimento de produto de alto nível agora têm uma camada adicional de complexidade.

Para sobreviver e prosperar, as empresas de alimentos e bebidas precisam manter altos níveis de agilidade nos negócios, prever com precisão a demanda, alcançar os consumidores por meio de vários canais e apresentar de forma consistente novos produtos inovadores e de alta qualidade. Investir em ferramentas de transformação digital que capacitem a colaboração e a eficiência para atingir essas metas de negócios é mais crucial do que nunca.

Foco nos desafios operacionais

‘Transformação digital’ se tornou uma expressão da moda, mas o que isso realmente significa para você? Para uma empresa, a transformação digital pode significar o uso de tecnologia para levar produtos originais e de alta qualidade para mais mercados, com mais rapidez. Por outro lado, o objetivo também poderia ser se aproximar dos consumidores para prever tendências e demandas. E, por outro lado, pode ser sobre como encontrar as ferramentas certas para turbinar a inovação de produtos e gerenciar os extensos portfólios de produtos.

Qualquer iniciativa de transformação digital depende dos seus objetivos de negócios e, em sua essência, trata dos seus desafios operacionais específicos. Todos os negócios no setor de alimentos e bebidas, desde pequenos produtores especializados até impérios de varejo multi-categoria, precisam escolher cuidadosamente as ferramentas digitais que permitam que as equipes lidem com as operações diárias de forma mais estratégica, proativa e eficiente. Como a transformação digital só pode ser alcançada com a cooperação entusiástica das pessoas que usam essas ferramentas todos os dias, a adoção do usuário e a facilidade de uso são elementos que as empresas não podem ignorar.

A tecnologia digital deve impulsionar a inovação, mas também tornar mais fácil monitorar o progresso, descobrir quando um produto ou estratégia está falhando e mudar de direção rapidamente. A redução de riscos é uma aplicação crítica da tecnologia digital, desde sistemas que gerenciam e atualizam a documentação de conformidade até ferramentas que otimizam o preço de custo e reduzem o desperdício. Para acompanhar o ritmo de lançamento de novos produtos, maximizar o valor nutricional ou segurança alimentar e renovar ou reembalar produtos existentes, as empresas precisam de desenvolvimento de produtos alimentícios abrangentes e plataformas de gestão de portfólio que simplifiquem os fluxos de trabalho, facilitem as comunicações com os fornecedores, bem como a criação, o reaproveitamento e a alteração produtos.

Food and Beverage Digital Transformation

Colocando os produtos no centro da transformação digital

Frequentemente, as equipes que trabalham em produtores e varejistas de alimentos usam muitas ferramentas digitais especializadas para lidar com diferentes partes do ciclo de vida do produto à medida que o produto avança do conceito ao consumidor, incluindo P&D, formulação, origem, fabricação, conformidade, rotulagem, embalagem e merchandising. No entanto, esses sistemas avulsos podem ser fragmentados, desconectados e incompatíveis, causando problemas na consistência de dados, entrada manual de dados e colaboração que se tornaram muito mais aparentes no mundo do trabalho remoto pós-COVID.

E se uma única plataforma pudesse centralizar e gerir tudo relacionado ao produto? Para muitas empresas de alimentos e bebidas, as soluções de Gestão do Ciclo de Vida do Produto (PLM, do inglês Product Lifecycle Management) são a resposta. Uma solução de PLM fornece uma “fonte única da verdade” em tempo real para os dados do produto que o coloca no centro do ecossistema digital.

Tudo relacionado a um produto, de receitas a embalagens específicas e dados de vendas no varejo, é acessível, visível e atualizado em tempo real no PLM para todos que precisam acessar a informação, tanto equipes internas quanto externas.

As soluções de PLM modernas e móveis podem ser facilmente integradas a outras plataformas, como sua solução Planejamento de Recursos Empresariais (ERP), Gestão da Informação do Produto  (PIM), Gestão de Ativos Digitais (DAM), e-commerce, Gestão da Relação com o Cliente (CRM) , Gestão do Portfólio de Produto (PPM), Planejamento de Vendas e Operações (S&OP), Sistemas de Gestão de Informações Laboratoriais (LIMS), Gestão de Rótulos e Artes (LAM) e muito mais, e podem ser usados ​​por equipes em movimento ou trabalhando de casa. Essa visibilidade, consistência e colaboração aprimoradas aceleram o tempo de lançamento do produto no mercado, aumentam as taxas de sucesso de introdução de produtos, melhoram a qualidade, a conformidade, a visibilidade, a rastreabilidade e facilitam a gestão dos custos.

A transformação digital engloba uma vasta escolha de soluções possíveis, mas a promessa do PLM é simples: ele substitui muitos sistemas diferentes e desconectados por um hub que centraliza e otimiza dados e fluxos de trabalho de desenvolvimento para que tudo flua do produto e para o produto. Com o PLM como base digital, marcas de alimentos e bebidas, produtores e varejistas podem lidar com os desafios operacionais com segurança e colocar as metas de negócios em primeiro plano nas iniciativas de transformação digital.

Combinando a tecnologia do Vale do Silício com a experiência e a prática recomendadas do setor, a Centric Software® é a líder de mercado de PLM com a maior taxa de adoção de usuários do setor.

Alimentos e Bebidas Transformação Digital

 

Share this article